20 de novembro de 2017

The Rocky Horror Picture Show no Odeon e Halloqueen no Teatro Rival


No final de outubro, eu finalmente fui na minha primeira sessão interativa de The Rocky Horror Picture Show, aqui no Rio de Janeiro, no Cine Odeon.
Descobri que esse foi o terceiro ano das apresentações, e fiquei muito empolgada em assistir!

(The Rocky Horror Picture Show, 1975)

Para quem não sabe, The Rocky Horror Picture Show é musical de comédia/terror britânico, produzido em 1975. Onde o casal Brad e Janet se perdem na estrada em meio à uma tempestade, e com o pneu furado procuram ajuda em uma mansão sombria, residência de um cientista louco chamado Dr. Frank-N-Furter. A mansão abriga personagens excêntricos, vindos do planeta Transexual, da galáxia Transylvania. E a história gira em torno na criatura que o Dr. está criando em seu laboratório.
Há o remake de 2016, mas dizem que é bem ruim e eu nunca assisti.

(As Vantagens de Ser Invisível, referência à TRHPS)

Em todo o mundo, todos os anos na época do Halloween, são produzidas sessões interativas do filme, com um elenco de atores locais.
Há inclusive uma cena no filme As Vantagens de Ser Invisível, onde os personagens atuam cenas de TRHPS em um teatro!
Eu fiquei louca querendo assistir, e não sabia que tinha no Rio de Janeiro!

15 de novembro de 2017

7 dias de fotografia!


Eu fui desafiada pelo meu primo à tirar fotos em preto e branco por sete dias, sem contextualizar, do meu cotidiano. Pensei que a maioria das fotos seriam dentro de casa, pois eu não saio muuito, mas acabei me surpreendendo! Então aqui falarei sobre cada uma ❤.

Essa primeira tirei quando estava desenhando uma história em quadrinho que ainda não coloquei ao ar. Acho que desenhar define bem o meu cotidiano, estou sempre rabiscando no papel ou pelo computador.
Atrás é a parede do meu quarto, ele é todo desenhado por mim e pela minha irmã desde os meus 11 anos. 


Eu estava lendo Drácula, de Bram Stoker. Tinha esse livro há anos aqui em casa, mas nunca tinha lido, deveria ter pego antes, pois é maravilhosooooo.
Junto tem o meu mouse rosa e pequeno, porque a minha mão é pequena uahuahu e o meu mousepad da pintora Frida Kahlo, que comprei de uma amiga anos atrás.

9 de novembro de 2017

Não pare de escrever


"Não pare de escrever", é o que sempre digo à mim mesma, e no entanto é exatamente o contrário o que faço, fico sem escrever por semanas, meses, até me sentir sufocando dentro de meu corpo, precisando respirar através das folhas de caderno. Maltratando as linhas retas com minha caneta preta ou meu lápis, sem saber no que vai dar, misturando lágrimas com a frustração de não conseguir escrever rápido o bastante, querendo acompanhar o fluxo dos pensamentos com meu punho não tão veloz.
Escrever é como uma conversa comigo mesma, é uma forma de decifrar o que meu coração está sentindo, e de desfazer os nós que se enroscam em minha mente.

Também sempre recorri às cartas para explicar meus sentimentos à outras pessoas. Eu tenho um defeito de começar a me emocionar e a ficar com os olhos cheios d'água quando me exalto em uma discussão, ou quando preciso dizer o que estou sentindo. Desde cedo, abominei chorar na frente de outros, então há muito tempo recorri à forma escrita para explicar o que há em meu coração. Minha mãe já recebeu inúmeras cartas minhas desde criança, e antigos amores também já receberam muitos papéis escritos e longos e-mails.
Quando paro de escrever por completo durante um tempo, meus sentimentos ficam confusos, como se eu tivesse dificuldade para  respirar. E no entanto, mesmo tendo a necessidade de me derramar no papel, eu deixo de lado essa prática tão importante. Há vezes em que estou tão dentro de mim mesma, que escrever se torna dificílimo e torturante. Faltam-me palavras e as vírgulas se tornam grandes pedras em meu caminho.

Ainda que tentar transpor sentimentos em palavras seja uma tarefa complicada, sempre aconselho: "NÃO PARE DE ESCREVER", aos outros e à mim mesma. Escreva sobre qualquer coisa, escreva sobre banalidades, sobre coisas importantes, sentimentos, sobre o seu dia, mesmo que a rotina seja maçante, escreva sobre um parente, sobre aquele sonho que teve na noite passada, escreva sobre aqueles dez minutos de caminhada que foi recompensada com um sorvete. Apenas escreva, não importa o assunto. Não deixe de escrever.

~
Na foto, o livro de zines do ilustrador e skatista, Mark Gonzales.

31 de outubro de 2017

Livros de terror que tenho na minha estante!


Eu fiz uma seleção dos meus livros de terror, todos queridos em meu coração! Fiquei triste em me lembrar de que muitos estão emprestados e não saíram nas fotos, nunca imaginei que tivesse mais de cinco livros nessa temática, que embora eu ame, não me empenho em adquirir huahuahua.


Os mais belos contos alucinantes dos mais famosos autores, falei dele no post 7 livros mais surrados da minha estante huahua | Os mais belos contos terroríficos | Drácula, de Bram Stoker


Crônicas Vampirescas, da Anne Rice

Príncipe Lestat, o último livro | Entrevista com o vampiro, o primeiro livro, também em meu post 7 livros mais surrados da minha estante | A Rainha dos Condenados, terceiro

30 de outubro de 2017

DGA: 5 filmes para góticos/alternativos nesse Halloween.


Halloween, data preferida das pessoas trevosas e das bruxas, onde temos passe-livre para andar na rua com sangue falso no rosto e programação voltada para o terror em todos os canais de televisão.
Como eu também amo essa festividade e não perco a tradição, selecionei cinco filmes adorados pelos trevosos e obrigatórios nessa data.

Esse post foi feito para o Desafio Goth/Alternativo, criado pela Giovana Mattos do Blog This is My World, para o grupo Universo Alternativo.


O Corvo - 1994
The Crow

Adaptado de uma história em quadrinhos, Eric Draven e sua noiva Shelly são brutalmente assassinados na Noite do Demônio, que precede o Halloween. Um ano depois, Eric volta do mundo dos mortos, ainda sem lembranças do que aconteceu, guiado por um corvo. Ele volta ao seu antigo loft e se recorda das memórias e a dor da morte. Ele então pinta em seu rosto os traços de um palhaço feliz e distorcido e inicia uma caçada para se vingar dos seus assassinos.
Todo gótico que se preze já se pintou, pelo menos no banheiro de casa, com a maquiagem do Corvo.

28 de outubro de 2017

A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida.


Já dizia Fernando Pessoa: "A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida", ele é um dos meus poetas favoritos desde muito nova, só quem me conhece há muito tempo sabe da influência da poesia em minha vida.
Sempre fiquei com a cabeça enterrada em livros, completamente distante de qualquer interação com pessoas do mundo real. Já gostei mais de personagens fictícios do que de seres humanos de verdade.
Devorava um livro atrás do outro, e acabei idealizando a maneira com que todos os meus relacionamentos deveriam ser, acumulando assim grandes frustrações, porque não entendia como as pessoas não poderiam ser iguais aos livros. 
Por muitos anos, eu vivi em mundos distantes, enxergando essa nossa realidade como se não pertencesse à ela. Eu pensava que estivesse segura no mundo dos livros. Eu estava me esquecendo de viver de verdade. Ignorava a vida da maneira mais agradável.

O primeiro impacto em minha redoma blindada foi quando mostrei um conto fictício, cerca de 9 anos atrás, à uma conhecida. Criei um dos meus primeiros blogs e postava contos de terror. Ela leu, disse algo que não me lembro, mas a frase que me recordo foi: "eu prefiro ler contos e livros biográficos", eu perguntei o motivo, e ela disse que gostava de ler sobre a vida real, coisas que de fato ocorreram. Até então eu não entendia como alguém poderia deixar as histórias fictícias de lado. O nome dela é Jéssica, eu tinha catorze anos, e ela era a primeira riot girl que conheci, organizava um grupo de zines online e reuniões feministas, que infelizmente nunca compareci.

Por que alguém gostaria de ler histórias biográficas, se há tanta imaginação na literatura? E ela respondeu entrelinhas, a vida pode ser muito boa e muito cruel, e há milhões de histórias lá fora, milhões de vidas interessantes com pensamentos reais e dores reais.

Claro que histórias biográficas não estão em nível superior das histórias fictícias, porém até aquele momento, eu lia apenas livros com personagens que nunca possuiram carne e ossos.
Então comecei aos poucos a ler algumas autobiografias, e a me identificar com muitos autores, com seus sentimentos, medos e frustrações. A vida também está fora dos livros e ela pode ser muito interessante.

O segundo impacto foi quando li Pergunte ao Pó, do escritor beatnik John Fante, sua semi-autobiografia narrada por seu alter ego Arturo Bandini. A Bruna de dezesseis anos, entediada com a vida, escrevendo e lendo dia e noite, andando à esmo pelo Rio de Janeiro, se identificou prontamente com os acontecimentos narrados no livro. Eu havia saído da minha redoma de histórias fictícias, e interessada nas pessoas reais. E fiquei terrivelmente triste quando soube que Fante morreu 9 anos antes de eu nascer. 


O terceiro e último impacto, até agora, foi ao ler Eu, Christiane F., Treze Anos, Drogada, Prostituída, de Kai Hermann, história real sobre uma menina alemã que aos 12 anos começa a beber, consumir drogas pesadas, e a se ver no fundo do poço, refletindo uma sociedade decadente e de relações familiares falidas. Em algumas passagens, ela me lembrou a Bruna de 12-13 anos, que teria ido para caminhos muito ruins, se não fossem vários acontecimentos que impediram. A biografia dela me emocionou muito e todos deveriam ler. E então me lembrei das palavras da Jéssica, e entendi mais uma vez como as histórias reais deixam o véu da realidade mais evidente.

Como manias antigas e enraizadas nunca de fato vão embora, após ler sobre a Christiane F., comecei a ler Drácula, de Bram Stoker, história mais fictícia impossível! A diferença é que hoje em dia já sei dividir o tempo entre histórias fictícias, histórias sobre pessoas que viveram, e a minha própria história, que precisa ser construída todos os dias, mesmo que a vontade de ignorá-la seja imensa.


- Algumas biografias e autobiografias que li e são minhas favoritas: Eu Sou Malala, de Malala Yousafzai; Só Garotos, de Patti Smith; A Arte de Pedir, de Amanda Palmer; Maus, de Art Spiegelman; Cat Diary, de Junji Ito; Persépolis, de Marjane Satrapi; Pergunte ao Pó, de John Fante.

- As reflexões desse post vieram depois de ler um texto da Marina Menezes ♥.

Conhece uma biografia ou autobiografia muito boa e quer me recomendar?

25 de outubro de 2017

HQ: Quando a gente deixar de se falar + Tudo e Nada


Recentemente, eu desenhei duas histórias em quadrinhos curtas, baseadas em textos que já tinha escrito há um tempo. Disponibilizei ambas online e gratuitamente ❤.

A primeira foi Quando a gente deixar de se falar, desenhada em setembro desse ano, com um texto que escrevi em abril (com cinco mil leituras no blog!). Historinha contendo 8 páginas, abordando o medo que sentimos ao saber que um dia o relacionamento chegará ao fim. Cerca de 2.600 pessoas curtiram na minha página, 3.172 compartilhamentos e 678 mil pessoas alcançadas.


A segunda foi Tudo e Nada, desenhada em outubro desse ano, com um texto que escrevi em agosto de 2012! Historinha contendo 6 páginas, sobre o dilema de ter uma visão deteriorada de si mesmo.  Cerca de 600 pessoas curtiram na minha página, 152 compartilhamentos e 21 mil e 500 pessoas alcançadas.



Eu estou empenhada em fazer mais historinhas baseadas em escritos antigos meus, já estou fazendo uma de 12 páginas, em breve estará disponível!

3 de outubro de 2017

O dia em que fiquei pertinho da Sasha Velour!


Uma das minhas metas para 2017 era assistir à uma apresentação de Drag Queen, porém eu não sabia que seria justamente da Sasha Velour!
Para quem não sabe, ela é ganhadora da 9ª temporada de RuPaul's Drag Race, um reality show americano, criado pela Mama Ru, RuPaul, onde drag queens competem pelo título de "America's Next Drag Superstar". 


A Sasha, além de drag queen, é também ilustradora e cursou design gráfico. Ela mora no Brooklyn - NY. Ela é gentil, amigável, criativa, louca e super artista! Todas as suas apresentações e figurinos são obras de arte ♥.

2 de outubro de 2017

Colando lambes pela Escola de Belas Artes!


Final de setembro, eu e a Yasmin nos juntamos para colar nossos desenhos pela Escola de Belas Artes da UFRJ, no Fundão. Ela com as ilustrações e eu com as tirinhas ♥.
Fomos numa manhã de segunda-feira, eu com a cola, ela com os pincéis, imprimimos por lá mesmo e criamos coragem para colar de dia na frente de várias pessoas que passavam. Duas tímidas e ansiosas huahua.
Eu colei cinco tirinhas, e ela seis ilustrações. E a vontade de colar pra sempre aumentou ainda mais, é viciante colar lambes por aí! Já planejamos os próximos lugares *-*

Para quem não sabe, lambe-lambe é o nome dado às intervenções artísticas que são coladas nos espaços públicos, pode ser um poema, desenho, protesto, tudo isso pode ser um lambe-lambe. Aqui "Lambendo a Cidade - Como Fazer Lambe-Lambes", eu fiz um tutorial ilustrado sobre o que é, onde pode colar e como fazer a cola em casa ♥.

Se você ver os lambes por aí, tire fotos e nos mande *O*!



24 de setembro de 2017

Relacionamentos e pessoas são complicadas.


Eu levei muito tempo para entender que aquela pessoa perfeita não existe. Infelizmente, não existe alguém que vai tirar todas as nossas inseguranças, que vai suprir toda a nossa necessidade de afeto, alguém que sabe o que você está sentindo e compreende sem que seja necessário falar. Existe a pessoa que vai te ajudar a crescer mentalmente e emocionalmente, porém ela também é cheia de falhas, inseguranças e sentimentos. Será um crescimento mútuo, e às vezes bem complicado. Pessoas machucam o coração umas das outras, a comunicação é algo que pode ser mais difícil do que simples.
Meu pensamento sobre relacionamentos sempre foi errôneo, eu acreditava que a pessoa deveria se encaixar de uma forma que me confortasse. Eu não dava espaço para conhecê-la de verdade, não aceitava os erros, as manias. Acreditava que ela deveria ser perfeita, que deveria saber o motivo da minha irritação sem eu nem ao menos falar o motivo. Eu era tão imatura em relacionamentos, às vezes acho que ainda sou. Na verdade, com certeza ainda sou.
Tenho dificuldades em lidar com as pessoas, e muitas vezes penso em desistir delas. Essa minha vontade de abandonar à todos se deve à minha necessidade de ficar sozinha, eu realmente acredito que sou melhor sozinha. Não apenas isso, mas também há o medo de errar e ter que lidar com os sentimentos alheios. Desculpa te machucar, seria melhor se eu saísse da sua vida.

Eu sou cheia de erros e paranoias, e cada vez mais tenho consciência disso, do quão louca sou e como meus sentimentos afetam meu físico e mental. Aprendo algo novo sobre mim todos os dias, e é ridículo e infantil como eu esperava a pessoa perfeita aparecer. Ninguém é perfeito, todo mundo é uma massinha de inseguranças e medos tentando fazer o seu melhor.

8 de setembro de 2017

Ainda te devo um café!


No finalzinho de agosto, o correio trouxe um presente da minha amiga Francieli Mendes! A gente se conheceu pelo blog mesmo, em meados de 2010/2011, ou seja, no início do meu blog! Começamos a conversar e a desabafar também sobre as coisas da vida. Ela me apoiou muito toda vez que postei um texto, e agora me apoia quando eu posto meus desenhos!
Mudamos muito depois de seis anos, ainda não nos vimos pessoalmente, pois moramos em diferentes estados do Brasil, mas o plano de nos ver continue de pé, e eu devo um cafézinho à ela huahua.

4 de setembro de 2017

I'm cyborg but that's ok


Eu estava perambulando pelo youtube, e descobri o I'm cyborg but that's ok, é um canal que faz clipes de músicas usando pedaços de filmes e séries. Eu achei perfeito! É feito por uma pessoa brasileira, não descobri mais do que isso, além dela ter um ótimo gosto para músicas e filmes ♥. Eu me apaixoneeeei *-*.
Selecionei alguns que mais gostei com links para assistir aos clipes modificados:


- Daisies dançando loucamente em SALES - Pope is a Rockstar. Daisies é um filme de comédia dramática e surrealista tchecoslovaco de 1966. Quem me chamou para assistir ao filme foi a minha irmã dois anos atrás, quando ela estava numa vibe de filmes desconhecidos das terras de lá.

30 de agosto de 2017

Tantas pessoas para conhecer, e tantos lugares lindos para ver!


Faz 1 ano desde que comecei a sair mais de casa, que me desafiei a conhecer pessoas novas e lugares novos. Não foi tão rico como eu queria, não fui à muitas aventuras que pretendi, mas definitivamente todas as experiências que tive mudaram minha visão, meu modo de me relacionar com as pessoas, e aprendi a sair mais do casulo - não saí completamente, mas isso é um processo -, também foi um ano em que passei a desenhar mais, e também me senti livre.
Agosto do ano passado foi quando minha vida teve uma mudança, e eu precisei me reinventar, redescobrir quem eu era, eu havia me perdido e precisava me encontrar. E sinto que estou encontrando uma Bruna que me agrada bastante, é a primeira vez que comecei a me sentir bem comigo mesma.
Tudo isso parece besteira, mas são grandes coisas para uma pessoa introspectiva e tímida como eu. Eu tinha apenas uma amiga de verdade, e nesse meio tempo ela provou não ser verdadeira. Enquanto isso, eu tinha um melhor amigo, mas não tínhamos nos conhecido fora da internet, até que nos encontramos em março! *Chris, se estiver lendo, te amooo*. Também foi nesse um ano que conheci o Brunno, um rapaz maravilhoso que aguenta as minhas doideiras e não me julga por nada. *Brunno, te amoooo*.
Arrumei outras novas amizades também importantes, e me sinto querida. Sou 100% eu perto delas? Ainda não, preciso me soltar mais, com o tempo consigo hauhua.

Pela primeira vez (muitas primeiras vezes nesse post huahua), sinto-me aberta à novas amizades, quero conhecer pessoas e lugares, quero ouvir músicas novas, experimentar novas bebidas, ver novos artistas, pisar em diferentes praias e sentir cheiros diferentes.
Ter o blog nessas fases da minha vida é muito necessário, assim eu me lembro de que minha vida não é apenas a bosta que imagino ser. Muitas coias legais acontecem, e muitas outras podem acontecer se eu permitir e for atrás. Obrigada a quem me acompanha e torce por mim!

~
Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs

18 de agosto de 2017

Tutoriais que talvez eu nunca faça!


É hora de confessar que "DIY" e aquela coisa na minha vida: eu guardo vários tutoriais interessantíssimos, porém nunca farei nada daquelas maravilhas nessa minha existência.
Eu esqueço, mudo de ideia, ou simplesmente me dá preguiça. Salvar diy's é o meu pecado. Já salvo sabendo que há somente 20% de chances de colocar a mão na massa. Isso é triste huahua.
Vim falar de PELO MENOS cinco tutoriais que eu queria fazer e que nunca cumpri, quem sabe alguém lê e faz:


Fazer tinta ecológica usando floreeeeees *-* é algo que eu com certeza quero queria experimentar numa folha de desenho! 

15 de agosto de 2017

Sakura, minha flor de cerejeira.


Dia 15 de agosto era para ser o aniversário de catorze anos da minha gata Sakura. Ela faleceu um mês antes.
Tudo começou em uma manhã pós-chuva, caía uma garoa bem fininha, e soubemos (eu e minha irmã) que a gata da minha bisavó finalmente havia dado à luz aos filhotinhos. Descemos correndo as escadas, e vimos aninhados numa casinha improvisada de papelão, vários recém nascidos. No primeiro momento, me encantei com o único filhote pretinho.
Sabíamos que os gatinhos seriam adotados por outras pessoas quando desmamassem. Então aproveitávamos e brincávamos com eles todos os dias. O pretinho era o meu favorito. Seis crianças no meu quintal, cada uma com um gatinho, brincando de casinha, eles eram os nenéns.
A gata da minha bisavó confiava em nós, e deixava os filhotes brincarem com aquele bando de criança.

14 de agosto de 2017

Não sou Ninguém! Quem é você? Ninguém também?


A Bruna pré-adolescente mergulhava em poesias mórbidas e as procurava pela internet e pela biblioteca do bairro. Além disso, eu tinha uma agenda onde os transcrevia e desenhava coisas tristes nas páginas ao lado. Foi em procura de poemas mais melancólicos que encontrei Emily Dickinson (1830-1886Massachusetts - EUA), apenas uns poucos versos num blog que eu nem me lembro o nome.
Então eu soube que ela escreveu mais de cem poemas, porém publicou em anonimato somente dez em um jornal, e não publicou nenhum livro enquanto estava viva. Ela era totalmente reclusa, e viajou apenas duas vezes por questões de saúde. Emily era conhecida como a "Grande Reclusa", sua vida foi para a poesia, ela escolheu não se casar e nem ter filhos, e viveu com os pais até os últimos dias, ela viveu até os 56 anos.
Emily escrevia seus poemas diariamente, e confeccionava seus próprios caderninhos de poesia, costurando-os à mão, e guardando-os na gaveta. 

13 de agosto de 2017

Os dias passam rapidamente.


Estou sumida do BEDA desde sexta-feira, e esse é o ruim de não ter posts programados t.t
No dia do meu sumiço, eu estava fazendo minha sétima tatuagem com o Paulo Eduardo Cantizano, que fez também o desenho da minha outra coxa. Fazer tatuagem é uma coisa que dói, mas que depois dá tanta felicidade ver a arte ali na pele *-*!


Também vi um filme super amorzinho com o Biel, live action do mangá japonês Usagi Drop, onde um rapaz de 27 anos chamado Daikichi, ao ir ao funeral do seu avô descobre que este tinha uma filha ilegítima, cuja mãe ninguém conhece. A menina tem somente 6 e se chama Rin. Toda a família do Daikichi olha para a menina como se ela fosse um estorvo na família. Ele cansado e frustrado daquela atitude, decide cuidar da Rin sozinho. Ele não tem nenhuma experiência, mas acaba aprendendo na dificuldade e na determinação a cuidar de uma criança sozinho. Daikichi e Rin criam um laço forte e maravilhoso, foi um dos filmes mais amorzinhos que já vi esse ano *-* dei cinco estrelas!


No sábado, teve a tão esperada Agostina na casa do Biel, já estava marcada dois meses antes. Era pra levar comida de festa junina, bebida e roupa de caipira. Eu levei a minha irmã e foi muito divertido. Comi e bebi até não aguentar mais. E para quem me conhece há anos, sabe que ter tantos amigos assim era algo complicado para alguém tímida e antisocial como eu!

Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs

10 de agosto de 2017

Projeto Literário Agatha Christie II


Eu conheci a Agatha Christie quando ainda estava no ensino fundamental, após visitar o sebo do meu bairro e encontrar um livro dela por dois reais! Depois de um tempo, eu descobri que a minha avó tinha todos os livros da Agatha quando era adolescente, mas os exemplares foram vendidos sem a autorização dela.
Quando eu vi que criaram o Projeto Agatha Christie, vi uma oportunidade para me impulsionar a ler todos os livros dela.
A Agatha escreveu mais de  88 livros de ficção! Sem contar ensaios e peças teatrais! De 88, eu já li 13, não é nem metade hauaha. Nesse post, falarei de apenas sete, e farei outros posts quando for lendo um certo número de livros dela. Acho que terminarei antes de morrer hauha.


A Agatha é conhecida como a Rainha/Dama do Crime, por escrever tantos livros bons de romance policial! Ela nasceu em 1890, na Inglaterra. Cresceu ouvindo as histórias de Conan Doyle, Edgar Allan Poe e Leroux, contadas por sua irmã mais velha, Madge. Mas foi a mãe que a incentivou a começar a escrever contos. Quando jovem, disse à irmã que poderia escrever uma história de detetive, a irmã duvidou, e em sua biografia Agatha disse que então, a semente foi plantada, e que ela havia sido atingida pela determinação de escrever histórias policiais.
Suas histórias mais famosas incluem seu detetive belga Hercule Poirot, e a detetive idosa e amadora Jane Marple (ou Miss Marple).

9 de agosto de 2017

Meditação da Lua Cheia na praia ♥.


Nessa segunda-feira, eu fui pela primeira vez à uma meditação coletiva da lua cheia ao ar livre, que ocorre na praia perto da minha casa todo mês. Quando cheguei, tinha cerca de quarenta mulheres sentadas na areia com suas cangas e mantas. Tocava uma musiquinha calma e uma moça auxiliava a meditação.


Eu não estava sozinha, meus amigos Biel e Thainá logo apareceram também. Foi uma experiência muito boa, eu me senti muito em paz, e o céu estava bem estrelado.
O mar me deixa bastante calma, até mesmo quando não tem ondas. E vinha uma brisa marinha maravilhosa.


Eu não tirei mais fotos porque fiquei sem graça, mas tirarei nas próximas meditações da lua cheia! Pretendo frequentar todo mês, inclusive em outras praias.

arte da primeira imagem: mohtz

Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs

8 de agosto de 2017

Coisas amorzinhas que li esses dias.


Andando pela internet, muitas vezes eu salvo posts nos favoritos, e agora acho que seria egoísmo não compartilhar os artigos que li e gostei tanto! Ainda mais quando foram amigas que escreveram, então vamos lá:

- A Exagerando escreveu um post de superação de relacionamento, você pode ficar sem ele

- A Michelli escreveu o quanto você é foda, e a importância de olhar para trás e ver o quanto você já conquistou! Sua auto-estima fica lá em cima!

-  Um toque pra você compartilhou uma receita de esfoliante de borra de café, eu já testei e achei maravilhosa! Estou fazendo a cada duas semanas e minha pele fica super hidratada.

- A Marina escreveu sobre as palavras que usamos para descrever emoções. No final, ela propõe um desafio, onde você lista as palavras que usa para expressar sentimentos! A gente usa tão poucas.

- Chanel Fake listou 10 filmes nacionais maravilhosos! Vale à pena assistir todos, fazer uma maratona com base na lista dela!

- A Ludimila falou sobre o ciclo menstrual e eu me identifiquei demais! Essa fase tão delicada onde a gente quer chorar e matar todo mundo ao mesmo tempo.

- A Camila listou um guia para areia de gatos *-*. Existe um número enorme de areias e eu nem sabia!

- A Karina listou 10 filmes com a temática rock! Inclusive "Escola de Rock" com certeza está nela *-*.

- A Muriel fez uma playlist amorzinho de blues para curtir no inverno! Se você não conhece os artistas, então já é um motivo para escutar todos!

Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs

7 de agosto de 2017

Como fazer alguém parar de te amar.


Há atitudes sutis que fazem um relacionamento terminar, ou nem começar, e que doem bastante. São maneiras que aos poucos a pessoa vai deixando de gostar de você, e vai embora depois de estar bem machucada. 
Fiz uma pequena lista de atitudes que machucam de pouquinho em pouquinho, e que já vivenciei na pele, sendo a pessoa ferida:

- Deixar a conversa morrer, e não dar atenção quando a pessoa fizer uma tentativa de sustentar um assunto.
- Não dar importância quando a pessoa falar que não está bem. 
- Não faça nada romântico.
- Não assuma o relacionamento, e quando a pessoa te cobrar, diga que as pessoas sabem sim que estão juntos.
- Não mantenha conversas profundas.
- Não diga que sente saudades.
- Não se esforce para ajudar a diminuir a insegurança da outra pessoa.
- Deixe claro que acha outras pessoas mais atraentes.
- Não dê muita importância sobre se encontrar com a pessoa.
- Fique com raiva e não diga o motivo, assim vocês não tem como resolver o assunto.
- Fique distante sem razão nenhuma.
- Não tente alegrar o dia da pessoa.
- Quando a pessoa disser que não está bem, fale uma frase sem sentimentos e automática como: "poxa :(". E mude bruscamente de assunto.
- Deixe no ar que ainda não superou o relacionamento anterior.
- Suma o dia inteiro, e quando a pessoa perguntar, diga que não estava fazendo nada.
- Fale sobre as pessoas que querem ou já quiseram muito te beijar. 
- Dê esperanças, mas não deixe certeza de que algo realmente vai dar certo.
- Elogie somente a aparência da pessoa, como se a desejasse apenas para fins carnais e nada mais.

Depois de alguns relacionamentos ruins, aprendi certas atitudes que se repetem quando nada vai bem.

Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs

6 de agosto de 2017

O menino da foto não existe mais.


Quando crescemos é comum descobrirmos segredos da família, inclusive acontecimentos desagradáveis que todo mundo tenta não falar sobre.
Foi remexendo nas minhas fotos de infância que descobri da existência de um rapaz, irmão da minha madrinha, era uma fotografia do meu primeiro aniversário, eu era um bebê e ele já deveria ter entre nove a doze anos, não sei dizer exatamente. Eu perguntava quem eram as crianças da foto, foi então que minha mãe falou sobre ele, que ela também não conhecia tanto, pois não moravam próximos. Ele havia se suicidado aos quinze anos. Eu descobri isso nos meus dez.

5 de agosto de 2017

Louca por tatuagens!


Eu sou doida por tatuagens, e meu objetivo é ter várias pelo corpo. Tenho algumas fotos de inspirações de desenhos que pretendo ter em mim, e essas são algumas delas:



4 de agosto de 2017

Amar quem está longe.


As nossas realidades são muito diferentes. Interior paulista e favela carioca não se encaixam.
Como duas pessoas tão distantes podem se entender tão bem? Eu penso que é uma brincadeira de mal gosto do Universo, ou um aviso de que nesta vida minha missão não tem nada a ver com o amor.
Uma parte de mim acredita que nossas vidas algum dia se tocarão e ficarão juntas. Porém, outra parte sabe que é apenas um sonho, e que essa esperança que tanto me acalenta o coração, é somente mais um degrau para a minha queda.
Eu me imagino de mãos dadas contigo, e como deve ser legal conhecer a sua mãe, e jogar vídeo games com os seus irmãos. Deve ser divertido brincar com os seus cinco cachorros de olhos de jabuticaba. Eu sei que essas coisas nunca vão acontecer., mas deixa eu fingir, e imaginar como deve ser quentinho o seu abraço.


Participando do BEDA nos grupos Se organizar,todo mundo bloga | Café com Blog | United Blogs
© Bruna Morgan | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.