Quando contei à minha mãe que eu também gosto de garotas.

Facebook  |  Instagram  |  Tumblr  |  Twitter Eu sempre tive certeza que não gostava somente de garotos, na verdade, eles vieram só dep...


Eu sempre tive certeza que não gostava somente de garotos, na verdade, eles vieram só depois. Meu primeiro amor foi uma garota, e apesar de saber que não havia nada de errado nisso, eu sentia que não era algo que minha família aprovaria.
Quando era criança, vi pela primeira vez na televisão uma personagem de novela que era bissexual, talvez tivesse sete anos quando vi a personagem segurando a mão de outra mulher, e ouvi minha bisavó falar mal por ter assistido isso. Eu senti que era igual a essa personagem, e entendi que não poderia falar abertamente sobre o assunto com meus parentes.
Eu sabia que não era lésbica, porque também gostava de garotos. Então, por muito tempo, fiquei sem saber o que eu era.

Foi aos dez anos que ouvi pela primeira vez a gíria "totalflex", dita pelos adultos para zombar de quem era bissexual. Eu pensei comigo mesma: "não quero ser totalflex", essa palavra era horrível, mas não tinha ninguém para me dizer que existia outra denominação.
Aprendi na escola o que era ser lésbica, gay e bissexual. Então, com doze anos resolvi contar à minha mãe o que eu era.
Pensei que seria bem aceita, pois ela tinha a cabeça bem aberta, mas me enganei. Logo fui acusada de passar por uma fase, que eu não sabia ainda o que queria de verdade, e que toda garota já passou por isso. Então, eu me fechei, nunca mais falei sobre o assunto com ela. Minha mãe nunca chegou a conhecer as garotas pelas quais me apaixonei.

Muitos anos depois, quando a minha irmã assumiu que estava namorando uma garota, não houve acusação, nem negativas. Minha mãe agiu como se fosse algo totalmente normal. Confesso que senti um pouco de ciúmes, eu queria que tivesse sido assim quando foi a minha vez, mas fiquei feliz por ver que minha irmã não ouviu as mesmas coisas que eu.

You Might Also Like

23 comentários

  1. Bru, creio que sua mãe tenha aberto mais a mente a respeito desse assunto, né? Até porque hoje em dia as pessoas aceitam muito mais sobre esse assunto. Sua iniciativa contando para ela tão cedo foi linda! Não deixe de ser quem você é <3

    Beijão, mariasabetudo

    ResponderExcluir
  2. Lindo e tocante seu depoimento. Uma pena que em primeiro momento ela não tenha entendi como você é de verdade. Mas que ótimo que agora ela tem essa aceitação.

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz que sua mãe tenha aberto a mente para isso e essa denominação totalflex é horrível mesmo... Aliás eu odeio rótulos...

    ResponderExcluir
  4. Ah, a irmã mais velha serve também para os pais aprenderem em relação à mais nova quando a situação for identifica! E como está a sua mãe em relação a vocês agora?

    ResponderExcluir
  5. Um post muito simples, mas muito emocional e muito tocante. Espero, do fundo do coração, que a tua relação com a tua mãe também tenha mudado e que hoje ela aceite quem és, tal como aceita a tua irmã, e que nunca mais na vida sintas que não podes falar abertamente sobre a tua orientação sexual. Obrigada por partilhares isto, tenho a certeza que poderá vir a ajudar muita gente!

    Um beijinho,
    Bia do Bookaholic.

    ResponderExcluir
  6. Poxa Bruna, deu até um aperto aqui no coração.

    Fico feliz pela sua irmã, provavelmente a sua situação fez sua mãe repensar certas coisas.
    Espero que algum dia vocês possam conversar e esse seu sentimento ser substituído por algo melhor.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Acredito que quando chegou a época em que sua irmã contou ela já estava com a mente mais aberta (de verdade) e pôde conciliar as coisas com maior facilidade. Não sei a idade da sua irmã, mas talvez por você ter contado tão cedo ela achou que era fase de adolescência, porque mesmo que a gente saiba que não é, qualquer coisa até os 15 é tratado como fase pelos adultos, né?

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  8. Achei que você era lésbica, por causa de um post que você escreveu (algo sobre beijar garotas, não lembro). Eu fui conhecer a bissexualidade como uma orientação sexual de fato já na faculdade, antes disso tinha aquela visão meio preconceituosa de uma pessoa que ainda "não se decidiu" (apesar de eu mesma nunca ter cortado a possibilidade de ficar com meninas, mesmo que isso ainda não tenha acontecido rs). Nunca ouvi totalflex, mas já ouvi gírias tipo "gilete (corta pros dois lados)" e "joga nos dois times". Nunca gostei de nenhuma, geralmente são ditas com um tom meio pejorativo.

    Talvez a reação da sua mãe seja por causa do tempo que passou entre você se assumir e sua irmã se assumir, ou talvez seja também porque você disse ser bissexual, que entra nesse preconceito que as pessoas tem de alguém que está indeciso, como eu disse. De qualquer forma, não deixe de ser quem você é ♥

    Bjs!
    31 de Março

    ResponderExcluir
  9. Achei seu depoimento super singelo e enternecedor. De verdade! Sinto, de coração, que sua mãe não tenha aceitado bem a situação. Porém, fico feliz, assim como você, que tenha sido diferente com a sua irmã. Como a Sté e a Selma comentaram, talvez ela tenha tido uma mudança real durante esse tempo.

    Estou ciente de como a bissexualidade é invisibilizada até os dias de hoje e lamento muito por isso. Espero que, de qualquer forma, você esteja bem consigo mesma. <3

    Beijos,
    Attraversiamo.

    ResponderExcluir
  10. Passei por isso também, e acho que só contamos porque sabemos o pai ou mãe que temos, certo? A reação do meu pai foi incrível, jamais vou esquecer esse momento, e afinal somos filhos, somos amor, somos amor acima de tudo e de todos!

    http://desde-1991.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Ah, Bru :( talvez você ouviu isso tudo da sua mãe, porque naquela época, pra ela não era normal, hoje em dia é mais fácil ver as pessoas aceitando a realidade e o amor como um todo né? Mas que bom que agora tudo se ajeitou e acredito que você pode apresentar pra ela as garotas por quem você vai se apaixonar de agora em diante ;)

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi, Bru!
    Pensa que pelo menos o que tu passou ensinou tua mãe como lidar com a situação quando tua irmã passou pelo mesmo. É como se tu tivesse protegendo tua mana, e isso é lindo! <3
    Bjs!

    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Quando a gente tem 12 anos é dificil que as pessoas levem a sério o que a gente fala. Acham que tudo é fase e vai passar. As vezes realmente é fase, mas nem sempre. Concordo com as meninas dos comentários a cima e também fico feliz em saber que sua mãe abriu mais a mente. Já que agora é uma coisa mais natural, do que a 5,10 anos atrás. Um grande beijo!

    www.blogfeeminices.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Que bom que a reação dela mudou ♥
    E relaxa lindona, nem sempre quem amamos apoiam nossas escolhas e nos entendem... Sei bem como é isso :/

    ResponderExcluir
  15. Olá! Muito sincero seu relato. Que bom sua família dar esse apoio. Também acredito que sua mãe foi aos poucos percebendo e entendo melhor você e sua irmã. Desejo sorte!

    ResponderExcluir
  16. Em poucas palavras, tanto sentimento. Só posso imaginar como deve ter sido difícil passar por tudo isso, ainda mais com a represália inicial de sua família e de sua mãe. E, mesmo assim, é um ponto super positivo que agora a visão da sua mãe seja diferente. Precisamos cada vez mais abrir a mente das pessoas, para que elas respeitem e aceitem as escolhas e o modo de ser de cada um.
    Adorei ler o texto desabafo e conhecer mais de você! <3
    xoxo

    ResponderExcluir
  17. Conheco amigas que passaram por isso também. Tenho amigas que isso foi realmente uma fase e outras que namoram meninas até hoje. Nao entendo como alguém pode achar estranho, isso é muito mais normal do que imaginam. As pessoas com mentes fechadas que se recusam a aceitar.
    Vai em frente e seja feliz, voce merece demais! <3
    E se precisar de alguma amiga pra conversar, sei que sempre terá alguém por perto (e se nao tiver, agora tem eu).
    Bjss

    ResponderExcluir
  18. Nossa, primeiramente parabenizá-la pela vitória, de vencer esse tabu, de que isso é uma faze, de que não é certo, de que não é natural, é difícil fazer as pessoas entenderem o que somos. Bem eu nunca passei por isso, apenas posso imaginar a dificuldade passar por isso, e olha, mesmo com aquele leve ciuminho, fico tão feliz de sua irmã não ter passado pelos mesmos problemas, sabe, é que você fez isso mudar, você é como uma dessas guerreiras da linha de frente, que estão ali preparadas(ou não) para tudo, em pró de uma vida melhor, para você e para qualquer um que seja.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  19. Sabes, acredito que a tua mãe estava apenas, na ideia dela, a tentar proteger-te. Muitas vezes isso acontece com os filhos mais velhos que são um pouco mais protegidos do que os mais novos (que já vão passar pelas experiências depois, já não é a primeira vez que os pais vêem aquilo a acontecer).
    É pena é ter tanta gente de mente fechada neste mundo! Não entendem que uma pessoa não se apaixona pelo género da outra mas sim pela sua essência!

    Beijinhos,
    Mii
    Comic Life Blog

    ResponderExcluir
  20. Fico feliz pela sua irmã que não teve que ouvir as mesmas coisas que você, mas triste por vc ter passado por isso. Imagino que não deve ter sido fácil passar por esta fase, e de coração, espero que a sociedade mude algum dia quanto a isso. Todo amor do mundo pra vc ♥

    ResponderExcluir
  21. Deve ser muito difícil ouvir essas coisas da própria mãe, mas pelo menos ela já abriu a cabeça agora, e pode ter tido relação com a sua idade também, com 12 anos eu não levo a sério a pessoa gostar de nada hahahaha
    Eu queria ter explorado mais minha sexualidade antes de começar a namorar pra valer essa ultima vez, logo antes de conhecer meu namorado eu saia com uma menina e tinha outras em vista mas essa exploração acabou ficando por ai sabe. Não acho que posso me definir como bi, já que não fui a fundo nisso, mas não me considero muito hetero também hahaha

    ResponderExcluir
  22. obrigada por se abrir conosco, adorei ler <3 eu também sou bi e meu primeiro beijo foi com menina, mas infezlimente nunca falei aos meus pais. Espero que desconfiem, pois hoje criei esse receio, essa barreira...uma pena que voce nao foi bem aceita naquele momento

    ResponderExcluir
  23. É difícil de entender quando uma tem apoio e a outra não teve. Eu imagino o que você deve ter sentido e por isso te digo: a sua mãe também sentiu. Você disse que ela é uma pessoa mente aberta, mas para quem é fraco um pequeno carinho pode parecer um soco na barriga. Depois de ter sido "socada" pela primeira vez, ela entendeu que não era bem desse jeito. Tenho certeza que ela repensou a forma como te tratou.
    Você pode ter salvo sua irmã.
    Sinta orgulho de si mesma como eu estou sentindo agora!
    Beijos <3

    ResponderExcluir

;D