Me derreter quando você sorrir e me acabar por completo quando você gargalhar.

Facebook  |  Instagram  |  Tumblr  |  Twitter Esse título foi retirado de " Crave ", peça escrita pela dramaturga inglesa S...


Esse título foi retirado de "Crave", peça escrita pela dramaturga inglesa Sarah Kane. Eu anotei o nome dessa obra - e consegui encontrar um exemplar anos depois - após assistir o que viria a ser um dos meus curtas-metragens favoritos, baseado em um trecho de "Crave", Reflections of a Skyline.

Ambos mexem muito com a minha alma, talvez se alguém me pedisse para listar obras que estão guardadas em meu coração, esse curta e a peça certamente seriam mencionadas.


O curta-metragem está disponível aquiii, legendado e em HD.
Abaixo o trecho sem cortes de Crave:

E quero brincar de esconde-esconde e dar minhas roupas para você e dizer que eu gosto dos seus sapatos e sentar nos degraus enquanto você toma banho e massagear seu pescoço e beijar seus pés e segurar a sua mão e sair para jantar e não me importar quando você comer minha comida e encontrar você no Rudy e falar sobre o dia e digitar suas cartas e carregar suas caixas e rir da sua paranoia e te dar fitas que você não vai ouvir e assistir a belos filmes e assistir a filmes horríveis e reclamar do rádio e tirar fotos de você quando você estiver dormindo e levantar para te levar o café e pãezinhos e geleia e ir ao Florent e tomar café à meia-noite e deixar você roubar meus cigarros e nunca achar os fósforos e contar pra você sobre o programa de TV que eu vi na noite passada e te levar ao oculista e não rir das suas piadas e querer você de manhã mas deixar você dormir mais um pouco e beijar suas costas e acariciar sua pele e dizer quanto eu amo seu cabelo seus olhos seus lábios seu pescoço seus peitos sua bunda sua  e sentar nos degraus e fumar até seu vizinho chegar em casa e sentar nos degraus e fumar até você chegar em casa e me preocupar quando você estiver atrasada e me surpreender quando você chegar mais cedo e te dar girassóis e ir à sua festa e dançar até não poder mais e me desculpar quando eu estiver errado e ficar feliz quando você me perdoar e olhar suas fotos e querer ter te conhecido desde que você nasceu e ouvir sua voz no meu ouvido e sentir sua pele na minha pele e ficar assustado quando você estiver zangada e um de seus olhos ficar vermelho e o outro azul e seu cabelo cair para a esquerda e seu rosto parecer oriental e dizer para você que você é linda e te abraçar quando você estiver ansiosa e segurar você quando você se machucar e querer você toda vez que eu te cheirar e te ofender quando te tocar e choramingar quando estiver do seu lado e choramingar quando não estiver e babar nos seus seios e cobrir você de noite e sentir frio quando você tirar meu cobertor e calor quando você não tirar e me derreter quando você sorrir e me acabar por completo quando você gargalhar e não entender por que você acha que estou te rejeitando quando eu não estou te rejeitando e pensar como você pôde achar que alguma vez te rejeitei e pensar em quem você é e te aceitar de qualquer jeito e te falar sobre o garoto da floresta encantada que atravessou o oceano porque te amava e escrever poemas para você e pensar por que você não acredita em mim e sentir tão profundamente que eu não ache palavras pra expressar esse sentimento e querer te comprar um gatinho do qual eu teria ciúmes porque ele teria mais atenção do que eu e deixar você ficar na cama quando você tiver que ir e chorar como um bebê quando você finalmente for e me livrar das pontas e te comprar presentes que você não queira e levá-los de volta e pedir para você casar comigo e ouvir você dizer não mais uma vez mas continuar pedindo porque apesar de você achar que eu não estava falando sério eu sempre falei sério desde a primeira vez que te pedi em casamento e vagar pela cidade achando que ela está vazia sem você e querer o que você quer e achar que estou me perdendo mas saber que estou seguro quando estou com você e te contar o que eu tenho de pior e tentar te dar o que eu tenho de melhor porque você não merece nada menos do que isso e responder suas perguntas quando eu preferir não responder e dizer a você a verdade mesmo quando eu realmente não queira e tentar ser honesto porque eu sei que você prefere assim e achar que está tudo acabado mas aguentar por mais dez minutos antes de você me jogar fora de sua vida e esquecer quem eu sou e tentar ficar mais próximo de você porque é lindo aprender a te conhecer e vale a pena o esforço e falar mal alemão com você e falar hebraico pior ainda e fazer amor com você às três da manhã e de alguma forma de alguma forma de alguma forma expressar um pouco deste esmagador embaraçoso interminável excessivo insuportável incondicional envolvente enriquecedor-de-coração ampliador-de-mente progressivo infindável amor que eu sinto por você.


Sarah Kane nasceu em fevereiro de 1971, em Essex, Inglaterra. Ela queria ser atriz, mas seu coração bateu mais forte pela escrita. Sarah escreveu cinco peças e um roteiro cinematográfico.

Antes que pudesse ver encenada sua última obra, 4.48 Psicose (04:48 seria o horário em que a maioria dos suicídios ocorrem), Sarah não aguentou as crises de depressão e teve uma overdose de remédios para dormir, foi encontrada e levada para o hospital, porém dois dias depois ela se enforcou, em vinte de fevereiro de 1999. Sarah teria 46 anos agora.
Ela foi considerada a maior dramaturga inglesa do final do século XX, e infelizmente não pôde ver o sucesso que suas peças tiveram ao redor do mundo.

You Might Also Like

17 comentários

  1. Oi, Bru!
    Depois de ler esse texto eu escrevi uns 3 textos. Salvei o link pra ver esse curta, mas confesso que já tô apaixonada. Muito obri pela indicação!
    Beijooooo!

    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Vi o vídeo no meu intervalo (trabalho) e quase chorei aqui. E tinha gente atrás de mim, ahaha! Na verdade, os olhos estão meio que lacrimejando. Achei muito lindo e profundo... compartilhei no meu face, adorei mesmo! ♥

    Um beijoo!
    www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir
  3. queria dizer palavras que fossem tão bonitas quanto as acabei de ler, parece uma parte de mim, uma parte de vida ❤
    Sarah Kane, mal conheço e ja considero pakas

    ResponderExcluir
  4. Que coisa mais linda!
    E esse sotaque? Aff amo demais!
    Obrigada por compartilhar essa maravilha.
    bjão
    www.jeniffergeraldine.com

    ResponderExcluir
  5. Aaaah! Eu já vi esse curta uma vez, nossa... Chorei mais uma vez. Imagina alguém tem amar dessa forma? Nessa intensidade boa? Só queria mesmo. Hahaha! Uma pena que Sarah não ficou para ver a obra dela sendo aplaudida e reconhecida.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  6. O trecho que me deixou no chão ''olhar suas fotos e querer ter te conhecido desde que você nasceu'' ... Acho que pq me identifico com essa sensação.

    www.cupidobrega.com.br
    Canal no YouTube

    ResponderExcluir
  7. O texto vai deixando a gente sem folego ao pensar na imensidão desse sentimento. Adorei

    https://deixacombinado.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Que triste a história de vida da escritora...impressionante como pessoas brilhantes são infelizes e depressivas, né? às vezes, chego a pensar se não seria algo espiritual...O curta parece ser bem romantico e melancólico. Não curto muito filmes assim porque fico bem triste também....Mas parabéns pela resenha que esta ótima!

    ResponderExcluir
  9. Eu queria entender mais de curtas. Tem muitos diretores e roteiristas muito bons fazendo curtas incríveis porque não encontram lugar na indústria, isso é triste.
    Amei esse trecho, pena que a Sarah não estava aqui pra ver o sucesso :(
    Continua indicando curtas pra gente :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Estou pasma com tanta poesia e extremamente feliz com a ausêcia de vírgulas. Vou guardar o nome Sarah Kane na memória e assistir o curta sobre o qual você falou.
    Esse texto me lembrou muito de minha namorada, acho que isso significa que nosso amor atravessa séculos e a atemporalidade de um poema.
    Lua-de-carmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Que diálogo enorme! Salvei o curta pra assistir mais tarde. Você sempre indica coisas diferentes e interessantes, não conhecia essa dramaturga, uma pena que ela tenha se matado :/

    31 de Março

    ResponderExcluir
  12. nossa ele se matou, que triste, eu ainda não tinha visto maisja achei super bacana </3

    http://dosedestrelas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Que coisinha tão linda! Não conhecia a peça, nem a curta, mas fiquei muito curiosa! Vou pesquisar!

    Um beijinho,
    Bia do Bookaholic.

    ResponderExcluir
  15. Brubs, não sabia do teu gosto por esses assuntos.
    São coisas em que tento me infiltrar mas acabo sempre empurrando com a barriga e nãoo baixando todo o arquivo, acabo deixando passar.
    Salvei esse link para ele não me fugir nunca mais!

    ResponderExcluir
  16. Bru, eu estou mega curiosa para assistir esse curta, pois não conhecia <3
    Beijos, babe

    Supimpa Girl

    ResponderExcluir

;D